Pequeno manual de sobrevivência para o inesperado

Olá pessoal, como estão?

Eu tinha alguns temas preparados para escrever para vocês e nunca imaginei que no meio do caminho haveria uma pandemia.

Penso que no momento, ninguém está com cabeça para ler textos reflexivos por isso, inspirada na página do Instagram @staythefuckhome_ preparei um pequeno manual para (tentar) não pirar nessa quarentena e nos dias que sucederão a pandemia.

1 – Não se cobre tanto.

É normal se perder um pouco na rotina e não conseguir produz muito ou deixar a casa organizada. Respeite o seu tempo.

2 – Não se isole emocionalmente.

O isolamento social é muito importante para evitar a disseminação do vírus e consequentemente um possível colapso do sistema de saúde. Mas, é super importante manter contato com as pessoas por mensagens ou chamadas de vídeo.

3 – Entenda (e aceite) seus sentimentos.

Podemos sentir ansiedade, angústia e medo. E tudo bem.

4 – Filtre o acesso à informação.

Você não precisa saber de todas as informações sobre a doença e vítimas, querer saber de tudo nos dá uma falsa sensação de controle, mas entenda: não temos o controle de tudo e as vezes sinto que não temos o controle de nada.

5 – Conheça a sua casa.

Ficar em casa é uma novidade para muitos de nós, criar uma rotina da casa pode ajudar a criar o melhor ambiente físico para você.

6 – Cuide de sua saúde física e mental.

Tenho observado uma grande procura por terapia, o que mais me chama atenção é que a maioria das pessoas vêm com um discurso similar, de que gostaria de ter começado antes, mas não tinha tempo, coragem ou vontade mesmo. Isso mostra como tendemos a abdicar de certos auto cuidados importantes.

7 – Escreva uma carta para você.

Essa última dica peguei direto da página que indiquei no início do texto. Achei bonito, não temos mais o costume de escrever cartas e esse pode ser um exercício que ajude a pensar como está sendo esse período, o que você pensa, seus medos e desejos.

Bom pessoal, é isso. Acredito que tudo é uma construção e agora, temos a oportunidade de criar um futuro diferente. Fomos todos pegos de surpresa? Acho que não, e aqui deixo um trecho da música Aquarela de Toquinho que me fez refletir muito sobre os últimos dias:

E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar

Não tem tempo nem piedade nem tem hora de chegar

Sem pedir licença muda a nossa vida e depois convida a rir ou chorar

Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá

O fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ano passado eu morri

Esse é o último texto do ano, e eu tinha a ideia de escrever sobre a vida em casal. Percebi que pouco sei sobre o assunto. Antônio Carlos Jobim dizia e cantava que o amor era fundamental, será mesmo i